Afinal o que é DIRECT TO CONSUMER e porquê você deveria saber mais sobre isso?

Já não é de hoje que as indústrias têm buscado novas formas de se relacionar com o consumidor final. Começam a substituir o foco exclusivo de desenvolver e fabricar os melhores produtos e passam a interagir sem intermediários com o consumidor. Algumas indústrias já se atentaram para os benefícios da atuação direta com o seu público e estão se reinventando com a utilização de diversos canais e modelos de negócios, incluindo o franchising, para expandir e inovar na forma de atender o consumidor final.

O Grupo Bittencourt ao longo dos seus 32 anos de mercado, desenvolveu diversos projetos com esse propósito, se tornando uma empresa especializada em desenvolvimento, expansão e gestão de redes de negócios, auxiliando na revitalização dos canais de vendas e análise estratégica de outros canais que a empresa pode utilizar para ampliar a distribuição de seus produtos.

Por quê essa estratégia é interessante?

Como a indústria está se beneficiando e se reinventando com a utilização do franchising, um modelo de expansão que tem provado ser adaptável e inovador na forma da indústria atender o usuário de seus produtos.

Que o mundo vive verdadeiras transformações no campo da tecnologia, repercutindo em toda a cadeia dos negócios não se discute mais. As mudanças estão aí visíveis e atingindo todos sem distinção, do pequeno negócio aos grandes players do mercado. Por outro lado, a profunda transformação que os ambientes digitais promovem tem gerado várias oportunidades e também estão aí acessíveis para quem delas quiser tirar proveito.

No âmbito dos negócios, muito do que funcionava antes não funciona mais. A desconstrução dos padrões, dos conceitos e das regras tradicionais em todas as esferas do atendimento ao consumidor é profunda e veloz, já não se fala mais com esse indivíduo como se falava antes. Não o conhecemos mais, ele é um ser volúvel, dinâmico e dizem as más línguas que ele é infiel.

O que não está claro ainda é a percepção para muitos empresários do quanto essa transformação pode ser devastadora em seus negócios e em que velocidade serão atingidos, se por um furação de escala 5, ou 3, ou 1. Porém uma certeza existe: serão atingidos.

A indústria de bens de consumo, em especial, não ficou fora desse furacão. Muitas dessas indústrias são pesadas e lentas, com estruturas rígidas, burocráticas, tradicionais e demoraram ou ainda estão demorando para se movimentar rumo a modernização,  outras se desfizeram do peso da estrutura e dos modelos tradicionais de gestão e de distribuição e estão se reinventando, dando realmente uma reviravolta no seu negócio.

O franchising surge como uma forma inovadora, dinâmica e líquida de distribuição de produtos, com uma particularidade muito importante e vencedora:  a indústria  tem a condição de atender diretamente o consumidor de seus produtos, por diversos formatos de negócios, desde um carrinho conduzido por um micro empreendedor até uma grande rede conduzida por um multi franqueado ou um máster franqueado.

O franchising vem permitindo à indústria criar redes de negócios a partir de um produto, aquele consagrado e de aceitação comprovada pelo público. Vejam o exemplo da Procter & Gamble, com a rede de franquias gerada a partir do produto Tide e a rede de barbearia a partir de seu produto Gillete.

Novos formatos estão sendo desenvolvidos pelas indústrias, permitindo que saiam do mundo onde o foco sempre foi o de desenvolver e fabricar os melhores produtos para o mundo encantador do varejo,  tendo agora a experiência de ver de perto como seu produto está sendo trabalhado na ponta, que experiência gera para os consumidores e como interage com eles. A indústria nesse modelo dita as regras para esse varejo, os padrões a ser seguidos são definidos pela própria indústria e não pelos gestores dos canais intermediários.

O franchising está se tornando uma grande plataforma para o desenvolvimento das indústrias, permitindo que a marca penetre em vários mercados, atendendo os diversos perfis de mercado e de cliente.

Temos exemplos de sucesso no Brasil, de empresas que se reinventaram e ganharam market share e condições para sustentar o negócio, além de aumentar o valor da marca. Alguns exemplos são: Bauducco, Hering, Arezzo, Heliar, Brastemp, Adcos, Tip Top e muitas outras, dos mais diversos segmentos.

As redes de negócios vêm ocupando mercado e permitindo às empresas estar próximas de seu público, além de manter o foco no desenvolvimento do negócio, terceirizando a operação para franqueados ou outro operador, porém dentro de um modelo formatado, com regras claras e modelo de gestão eficaz.

Deixe um comentário