No pós-coronavírus, varejo brasileiro pode não seguir o mesmo caminho de outros países